Como tornar seu line up de palestrantes mais diversificado (sem ser performativo)

Conference speaker diversity is important - learn how to achieve this without being performative.

Organizar eventos é um verdadeiro teste para a coragem de uma pessoa. Os resultados são visíveis para todos. Falhar não é uma opção. Os prazos são firmes. E nada sai exatamente como planejado. Além disso, é uma montanha-russa emocional. Adicione uma pandemia global em que você foi forçado a fechar ou tornar-se virtual e vamos colocar desta forma: você é um herói. Eu entendo você. Porque, como organizadora de conferências, estive lá.

Além de tudo isso, encontrar palestrantes novos e diversos para sua conferência é importante para você – mas isso não significa que seja fácil. E a experiência ensinou que, em nossa cultura obcecada por celebridades, nomes reconhecíveis impulsionam os cadastros. Mas você tem a oportunidade única de encontrar essas estrelas em ascensão – e dar-lhes o palco.

Como você está tomando suas decisões em relação à sua programação de palestrantes? Onde você pode encontrar novos? Como você pode priorizar uma linha diversificada de palestrantes?

Impulsionar a diversidade em sua conferência sem ser performativo

Em 2017, como muitas outras mulheres, cansei de ver line ups de conferências exclusivamente masculinas. A desculpa comum? “Não há palestrantes femininas qualificadas o suficiente”. Mas o que isso significa? Isso significava que não havia mulheres qualificadas em seus campos, com muito para ensinar e compartilhar? Ou isso significava que as mulheres estavam sistematicamente em desvantagem? (Dica: é o último, mas mais sobre isso depois.)

Em vez de falar sobre o problema, Alejandra Porta, Amy Wood e eu queríamos ser parte da solução. Depois que essa postagem viral atingiu um alvo sério, o Shine Bootcamp, um acelerador de palestrantes profissional para mulheres, foi lançado como um meio de equipar as mulheres com a confiança, as ferramentas e a experiência para fazer conferências.

Embora alguns possam ter aplaudido nossos esforços iniciais e nossa missão ousada, reconhecemos que não era bom o suficiente. E ainda não é bom o suficiente. Colocar mais mulheres no palco era (e ainda é) um tópico importante, mas muitas vezes isso se traduz em mais mulheres brancas.

Além disso, reconhecemos que nossos programas têm limitações. Podemos trabalhar com mulheres para aumentar sua confiança e habilidades de fala. Mas sem abordar as barreiras sistêmicas que as impedem de falar e ocupar espaço, continuaremos a ver uma representação pobre não apenas nos palcos, mas em todos os espaços onde reside o poder.

Veja o post do Instagram aqui.

No ano passado, os movimentos de justiça social ocuparam o centro do palco e o ativismo se tornou uma parte maior da vida e da identidade das pessoas. Embora mais atenção esteja sendo dada à diversidade, inclusão e interseccionalidade, recomendo que você vá além dos tópicos de tendência. Eu o desafio a ir além das ações performativas.

Antes de envolver os palestrantes, comece com auto-reflexão e educação

Eu costumo evitar escrever sobre “tópicos populares”. Eles recebem tanta atenção que muitas vezes parece que estou apenas contribuindo para o barulho. (Porém, a incrível Diretora Editorial da Prezi, Lorraine Lee, achou que vocês apreciariam minha opinião sobre o assunto).

Dito isso, eu li uma boa porção de artigos que falam sobre como os líderes e organizadores de conferências podem tornar suas programações de conferências mais diversificadas. No entanto, nenhum deles fala sobre a educação e a autorreflexão que um organizador de conferência deve fazer – o que uma organização deve fazer – antes de mergulhar em coisas tangíveis, como abordar possíveis palestrantes.

Além disso, antes de me aprofundar, não me consideraria uma especialista em diversidade, equidade e inclusão (DEI) de forma alguma. Como mulher branca privilegiada, considero-me uma aliada, cometi erros, aprendi e estou aprendendo atualmente. Mais importante, estou desafiando e convocando meus colegas organizadores de conferências e eventos a fazerem melhor.

Embora eu pessoalmente não seja uma fã do termo “DEI”, pois parece muito corporativo e algo que alguém lhe diz para fazer, ao invés de algo que você deseja fazer, é importante que você comprometa tempo real, energia e recursos para se educar (e sua equipe, se necessário).

Reserve um tempo e dê-se espaço para fazer algumas perguntas difíceis, como por que você deseja garantir uma linha diversificada de palestrantes? Qual é a sua motivação? Qual é a motivação da sua organização? Você está comprometido em alocar tempo e recursos para criar um ambiente seguro para todos os palestrantes e participantes?

Em seguida, passe algum tempo realmente se conscientizando de seus pré-julgamentos, especificamente no que se refere à seleção de palestrantes. Sei que cometi minha cota de erros (sobre os quais escrevi naquele post viral de 2017), mas faça você mesmo o trabalho para saber onde errou no passado e como pode corrigir o curso para o futuro .

Talvez eu esteja presumindo que você tem todo o poder de decisão sobre quem será escolhido como orador. Mas o mais provável é que não seja o caso – afinal, organizar uma conferência exige muito trabalho. Isso significa que muitas vezes há diferentes opiniões e dinâmicas de poder em jogo quando se trata de selecionar palestrantes.

Melhore seu processo de seleção e traga tomadores de decisão com diferentes perspectivas para evitar viés de seleção. Os tomadores de decisão, independentemente de suas identidades, precisam compartilhar um compromisso com a mudança.

É importante lembrar-se de ter uma visão ampla do que “uma linha diversificada de palestrantes” realmente significa

Sim, procure e apóie palestrantes que sejam mulheres. Sim, incentive palestrantes negros. Sim, envolva palestrantes asiáticos. Mas a diversidade não para por aí. Também é importante pensar na comunidade LGTBQIA+. É igualmente importante pensar sobre as pessoas com deficiência (deficiências invisíveis e visíveis). É muito importante pensar nos Povos Indígenas – o “I” do BIPOC que muitas vezes são deixados de fora. Por último, quando se trata de oportunidades de falar, pessoas cuja língua materna não é o português costumam ser discriminadas por causa de seu sotaque ou seriedade.

Existem também algumas crenças antigas que precisamos desafiar se quisermos realmente diversificar as conferências. Os oradores mais fluentes, conhecidos e confiantes nem sempre são os mais competentes.

Veja o post do Instagram aqui.

Quero mencionar uma grande ressalva a tudo que acabei de escrever. Se você não está ativamente fazendo “o trabalho”, mas está abordando palestrantes de diversas origens, está se engajando no tokenismo, “a prática de fazer apenas um esforço superficial ou simbólico, especialmente recrutando um pequeno número de pessoas de grupos sub-representados a fim de dar a aparência de igualdade sexual ou racial.”

O tokenismo não é apenas inadequado, também é prejudicial. Aqui está um exemplo: digamos que o organizador de um evento contrate um palestrante com deficiência, mas não se preocupe em garantir que o local seja acessível para cadeiras de rodas. Prejudicial.

Isso também se traduz em seu marketing. Quando você comercializa sua conferência, não destaque fortemente a identidade de um palestrante, foque e introduza com a sua experiência. E quando você pedir que palestrantes abordem um tópico, considere o seguinte:

Veja todo o tópico do tweet aqui. E um tweet semelhante aqui e aqui.

Faça parceria com organizações que fazem “o trabalho”

A realidade é que passamos muito tempo com pessoas que se parecem e pensam como nós. Expanda sua bolha e procure outras organizações para trabalhar que promovam a diversidade e a inclusão.

Chame a atenção tornando sua apresentação mais interativa

Alcance, apoie e estabeleça parceria com organizações que trabalham específica e ativamente para treinar palestrantes, educar os organizadores da conferência e tornar os lineups da conferência mais diversificados e, assim, as conferências mais inclusivas. Organizações como:

Dê uma chance aos novos palestrantes (e forneça-lhes suporte adicional)

É importante lembrar que as pessoas estão presas no clássico Catch-22: elas não podem se tornar um palestrante sem experiência, mas não podem obter experiência porque não são palestrantes. Concentre-se no que alguém tem: potencial, uma perspectiva diferente, uma história que precisa ser ouvida.

Porque a verdade é (e digo isso como um ex-organizadora de eventos), o público está muito mais interessado em alguém com algo interessante a dizer. Eles preferem isso à mediocridade polida em qualquer dia. Encontre alguém com algo interessante a dizer.

E lembre-se: falar é uma habilidade aprendida e adquirida (e existem programas aceleradores, como o Shine Bootcamp, que oferecem suporte a palestrantes).

À primeira vista, esses palestrantes podem *parecer* menos confiantes. Eles podem soar menos assertivos ou “profissionais”. Seu instinto pode dizer que eles não são adequados para o seu evento. Supere seu instinto e, em vez disso, forneça orientação e treinamento. Ajude os novos palestrantes a alcançar o nível de qualidade que você e seus participantes esperam; ajudá-los a ter sucesso. O simples fato de oferecer isso pode gerar propostas de candidatos fortes. Falando por experiência própria, acho que você ficará agradavelmente surpreso.

Somando-se a esse mesmo sentimento, quanto mais um palestrante fala, melhor ele se torna. Ao colocar um orador promissor no palco, você mostra às pessoas subestimadas e oradores esperançosos que sua voz e seu desenvolvimento profissional são importantes.

Além disso, em minha experiência, um novo palestrante trabalhará duas vezes mais para entender seu público e criar uma palestra atraente se você der a oportunidade.

Compense seus palestrantes de maneira justa e equitativa: respeite o tempo, a energia e o conhecimento necessários para uma boa palestra

Veja o tweet da palestrante do Shine Bootcamp Upasna Gautam aqui. E um tweet semelhante aqui.

Preparar uma palestra envolvente requer horas de pesquisa, preparação e prática. Sem mencionar, uma apresentação geralmente representa o valor de uma carreira de trabalho. As conferências precisam reconhecer e respeitar o custo real de falar. E isso nem sempre *tem* que significar dinheiro. Por exemplo, existem organizações sem fins lucrativos, eventos de base e conferências voltadas para a comunidade que são verdadeiros trabalhos de amor. Conheço algumas conferências que igualam (na melhor das hipóteses) e, de forma mais realista, perdem dinheiro. Muitos organizadores de eventos são voluntários. Eu estive lá. Eu vejo você, ouço você e sinto você.

Mas reconheça que falar de graça não é uma opção realista para muitas pessoas, especialmente aquelas que são mais prejudicadas por uma grande lacuna de riqueza. Compensar palestrantes pode ajudar a equilibrar a balança.

De acordo com Bobby Carlton da Innovation Women, metade de todos os organizadores de eventos relatam ter orçamento zero para palestrantes. Isso mantém a multidão no palco com uma aparência homogênea, limitando ainda mais a diversidade.

Se você se enquadrar nesse segmento de orçamento sem palestrante, recomendo que analise seu orçamento para ver o que pode mudar. Afinal, os palestrantes são o centro do seu evento. Mas se você *realmente* não consegue fazer os números funcionarem (eu entendo, conferências são muito caras), certifique-se de ser 100% direto, justo e transparente. Certifique-se de dizer a eles o que você pode oferecer. Para onde vão seus fundos. Qual é a sua missão e que impacto um palestrante pode causar.

Eu também recomendo, no mínimo, comunicar (e se comprometer com) algo assim:

“Atualmente, não estamos oferecendo aos palestrantes qualquer pagamento em dinheiro por suas valiosas e apreciadas contribuições. Dito isso, reconhecemos que as oportunidades não são iguais para todos e estamos comprometidos em construir intencionalmente um painel diversificado de palestrantes. Se você se enquadra nesta categoria e sente que não pode se comprometer, adoraríamos saber como seria a compensação para você.”

Por falar nisso, é importante que você entenda o que um palestrante precisa e valoriza. É dinheiro? O palestrante vê sua conferência como um canal de marketing? Eles valorizam o acesso ao seu público? São voos + hotéis abrangidos (se pessoalmente)? Alguém mais está sendo pago? É uma mistura de todos os itens acima?

Quero reconhecer que o pagamento em torno da palestra pode ser difícil de navegar, tanto para palestrantes quanto para organizadores de conferências, porque há benefícios que vão além do dinheiro. Tome como exemplo a mãe solteira e fundadora em tempo integral, Amanda Goetz:

“Falando sério: viver do salário de um fundador é difícil / estressante (especialmente quando você tem 3 humanos para cuidar). Tenho dificuldade em cobrar por palestras porque isso ajuda na construção da marca.” (leia seu tweet original aqui)

Além disso, esteja ciente de que o palestrante confiante, experiente e privilegiado defenderá a si mesmo muito bem. Se um orador privilegiado é pago e outro não, você não está lidando com as barreiras sistêmicas em jogo. Conheço uma conferência que pagou a um homem branco para falar, enquanto ninguém mais foi pago. Não é legal.

Faça uma chamada transparente + aberta para palestrantes

Faça uma chamada para oradores. Pode parecer óbvio, mas muitas conferências não fazem e é uma oportunidade perdida.

Depois de abrir uma chamada para palestrantes, certifique-se de incluir informações detalhadas sobre seu processo de seleção, seus critérios, o que você oferece aos palestrantes e seu compromisso em tornar o evento inclusivo e seguro.

E lembre-se: nuance e linguagem são importantes.

Adoro esta frase de Sarah Milstein: “Se você disser que está procurando pessoas com ‘conselhos e experiência para compartilhar’ em vez de ‘especialistas’, você evita sugerir que está interessado apenas em pessoas já reconhecidas na área. (Curiosamente, as mulheres têm menos probabilidade do que os homens de se referir a si mesmas como especialistas, então, como bônus, você também evita excluí-las acidentalmente.) ”

E agora?

Então, agora que você tem uma linha diversificada de palestrantes, o que vem a seguir? O trabalho não para. Não se esqueça, você precisa garantir que sua conferência, o espaço que você cria para palestrantes e participantes, seja inclusiva e segura. Certifique-se de que o mesmo cuidado que você teve para selecionar sua lista de palestrantes seja refletido na própria conferência (que é um assunto para outro dia).

Sobre a autora

Stefanie Grieser é a co-criadora do Shine Bootcamp, um acelerador de palestrantes profissional para mulheres e apresentadora do Shine Speaker Showcase. Você pode seguir o Shine no Instagram e no Twitter.

Saiba mais sobre Prezi para seu negócio

Experimente Prezi gratuitamente